• Cain Mireen

Sapos em Magia por Nigel Pearson.

O seguinte texto foi retirado do livro The Devil's Plantation: East Anglian Lore, Witchcraft & Folk-Magic de Nigel Pearson, e foi traduzido por Cain Mireen.



Além de ser usado no rito como descrito acima, o sapo/rã tem sido empregado em outras práticas mágicas em East Anglia por muitos anos. Um dialeto de East Anglia para palavra enfeitiçar, encantar, amaldiçoar ou colocar um feitiço de qualquer tipo em uma pessoa ou animal é 'tudding', ou seja, 'colocando o sapo em 'alguém. Qualquer um que tivesse o apelido de 'Tuddy' sempre foi tratado com o maior respeito e cautela.


Se alguém desejasse adquirir o poder do mau-olhado, eles tiveram que pegar nove sapos vivos, amarrá-los todos juntos em uma linha e deixá-los morrer. Eles então tinham que ser enterrado no solo. Depois disso, o olho das bruxas tornar-se maligno, concedendo o poder de ignorar, amarrar, amaldiçoar e até matar alguém, assim como os sapos foi amarrado e morto e colocado no chão. Na realidade colocar o sapo em alguém, envolve pegar um sapo vivo e enterrá-lo em um local específico na estrada próximo onde a vítima mora. O sapo deve ser enterrado usando um garfo de três pontas e deixado para morrer; como os resíduos do sapo e perece, assim também a vítima. Uma outra maneira de colocar o sapo em alguém é colocar sapos vivos na chaminé, nomeando a vítima e a maldição ao fazê-lo. Enquanto o criaturas definham no calor do fogo, então a vítima também é consumido. Se os sapos gritarem ou soltar gritos agoniantes, é certo sinal de que o feitiço foi lançado com sucesso; no entanto, se eles estouram e caem pela chaminé, então o feitiço é removido.


Sapos também foram usados ​​por razões apotropaicas assim como amaldiçoar. Um método Suffolk de proteger sua casa do relâmpago é colocar quatro sapos - chamado Hedge Sapos - em vasos de flores de terracota e enterrá-los em quatro cantos — um em cada — do seu jardim os sapos formam uma espécie de grade mágica, que impedirá a raios de atingir sua propriedade.


Os sapos também eram usados ​​em práticas de cura. Catarina Parsons descreve como a coqueluche foi tratada em Horseheath, esfregando a palma da mão do sofredor com um sapo ou rã. O animal foi imediatamente enterrado vivo e, à medida que definhava e apodrecia, a tosse também.


Um sofredor de verrugas tinha que pegar um sapo vivo, colocá-lo em um saco e pendurá-lo em algum lugar onde eles passe por ela todos os dias. As verrugas seriam transferidas ao sapo e o sofredor seria libertado deles.


Engolir sapos e rãs vivos era uma cura para a fraqueza e consumo, enquanto outra cura para a tosse convulsa envolvia segurar a cabeça de um sapo ou rã na boca por alguns momentos. A 'cura' de uma mulher sábia para o câncer de peito costumava ser praticado com um sapo nos Fens of Cambridgeshire. Um sapo vivo foi obtido e as verrugas nas costas foram esfregados vigorosamente; isso fez com que eles expandir e liberar uma toxina líquida, não fatal para os seres humanos.


O sapo foi então esfregado na virilha até deixar de distribuir o veneno, após o que foi colocado de volta onde tinha sido encontrado e deixado para viver. Pensa-se agora que a toxina natural dos sapos, pode ter tido um efeito anticancerígeno efeito sobre o tumor maligno, conforme relatos de sucesso com esta técnica não eram incomuns.


Finalmente nesta seção batráquio, uma técnica que emprega os atributos e a reputação do sapo como saltador entre mundos, um ser liminar, capaz de passar de um realidade para outra e assim levar mensagens ou trazer sobre mudança. A bruxa precisa pegar um sapo e matá-lo, ou encontre um já morto; o último é preferível neste caso, quanto mais perfeita a condição, melhor. O sapo é enterrado em um recipiente de sal por 6 luas e permitido para secar completamente. Para as próximas 6 luas, ele é entubado com uma mistura específica de óleos; isso é feito três vezes, uma vez a cada 2 luas, deixando os óleos afundarem e agindo como conservante, deixando-o secar a cada vez. Por último, o sapo é curado na fumaça de um tipo particular de incenso na lua cheia. Em seguida, é embrulhado em pano preto e colocado em um lugar escuro, até a lua mudar. Na lua nova, é trazido à tona e encantado, de modo que se torna um veículo para o testamento das bruxas; isso o torna capaz de tomar, os desejos da bruxa para o Outro Mundo, para lá manifestação, ou então levar a própria bruxa nos outros reinos, com o propósito de buscar conhecimento e poder mágico. O sapo é mantido seguro em uma caixa quando não estiver sendo usado, sendo retirado apenas durante as horas de escuridão. Desejos são escritos em pequenos papéis papel, e colocado dentro da caixa com um encantamento e deixado lá até que eles se concretizem.




Cain Mireen.


173 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo